Atração de novos investimentos e geração de emprego e renda – Para o presidente da Fieam, Antônio Silva, o empresariado ganhou um recurso importantíssimo na análise das licenças necessárias na implantação de novos empreendimentos na capital amazonense. “O governador Amazonino determinou que se em 60 dias não for julgado o projeto, vai ser aprovada a licença. Isso sem sombra de dúvidas vai atrair mais investidores, mais empreendimentos e, por consequência, a geração de emprego e renda no estado do Amazonas”, destacou o empresário.
Sobre o Programa – O programa que teve como primeiro usuário, um empresário do segmento de postos de combustíveis, consiste em uma ferramenta que vai padronizar a concessão das outorgas necessárias para o Licenciamento Ambiental, como supressão vegetal e geoprocessamento, realizado em nível estadual pelo Ipaam. Ele vai permitir o acesso simultâneo aos processos, que serão digitalizados.
A informatização dos procedimentos de licenciamento faz parte do conjunto de metas anunciadas pelo presidente do Ipaam, Marcelo Dutra, durante a 23ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 23), em Bonn, Alemanha, em novembro deste ano.
Nesta primeira fase, o novo sistema será adotado para empreendimentos industriais. A partir do dia 12 de dezembro, quando será lançada a segunda fase, serão incluídas as atividades relacionadas à fauna e à pesca.  A partir de 2018, recursos hídricos, mineração, agropecuária, atividades florestais e fiscalização vão ser incluídas no sistema.
FOTOS: CLÓVIS MIRANDA/SECOM