Buscar:
ÚLTIMAS NOTICIAS:
<<IPAAM faz ação de educação ambiental na Terceira Feira do Livro>>  <<Operação Kari’Oca: IPAAM notifica empresas de turismo de selva>>  <<Filhote de Peixe-Boi é resgatado em Manacapuru>>  <<Jiboia é a espécie de cobra mais comum nos resgates do IPAAM>>  <<Manaus sediará seminário sobre os 25 anos do Zoneamento Ecológico-econômico na Amazônia Legal>>  




  • IPAAM MONITORA REMOÇÃO DE TANQUES DE ÓLEO QUE CAÍRAM NO RIO NEGRO EM MARÇO, CAUSANDO POLUIÇÃO
    08/05/2013
    Foto:IPAAM/Gefa

    A balsa adernada que causou a queda dos tanques na água no dia 26 de março

    O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) monitora hoje, dia 8 de maio, os procedimentos de retirada dos dois tanques da Chehuan & Cia, contendo produto derivado de petróleo, que caíram no Rio Negro, na orla do São Raimundo, no dia 26 de março, causando poluição.

    A equipe do IPAAM está formada por quatro analistas ambientais com formação em química. Um deles, Diógenes Rabelo, disse que a empresa cumpriu a determinação do Instituto de informar o dia da remoção dos tanques para que o órgão pudesse supervisionar a operação que exige cuidados para que não venha a causar outro dano ambiental com o vazamento do CAPCM20 que restou nos tanques.

    Pela manhã, estava sendo montada a infraestrutura para içarem os tanques, com o posicionamento das duas balsas e dos dois guindastes necessários à operação.“A previsão é de que os tanques estejam retirados até o final desta tarde”, disse o analista do IPAAM.

    Ele disse ainda que o Centro de Defesa da Amazônia (CDA) estava presente, como ocorreu durante todo o período de limpeza da mancha de óleo formada pelo vazamento do produto (CAPCM20) derivado de petróleo usado para a produção de massa asfáltica. O IPAAM segue pela tarde acompanhando os trabalhos.

    Entendendo o caso - No dia 26 de março, uma balsa a serviço da empresa Chehuan & Cia Ltda que transportava em seu convés quatro tanques contendo o produto derivado de petróleo CAPCM20, adernou e dois tanques caíram no Rio Negro. Desses dois tanques que caíram, um vazou cerca de 15 mil litros do produto, provocando uma mancha de óleo de 900 metros quadrados na superfície do rio. O outro foi para o fundo, mas não houve vazamento.

    A mancha de óleo foi logo contida pela colocação de barreiras de contenção e pela imediata ação de limpeza providenciada pela Chehuan. O IPAAM fez o monitoramento desde as primeiras horas do acidente ambiental.

    A empresa foi multada pelo IPAAM em R$300 mil no dia 1º de abril “por causar poluição por derramamento de substância derivada de petróleo em níveis tais que podem resultar em danos à saúde humana ou provocar a mortandade de animais e destruição significativa da biodiversidade”, conforme auto de infração.

    O auto de Infração foi lavrado com base no artigo 92, inciso II da Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605/98), combinado com o artigo 3º, inciso II e 61 do Decreto 6.514/08 que regulamenta a Lei

    O gerente de fiscalização do Ipaam, Raimundo Chuvas, explica que o valor da multa levou em conta o trabalho que os responsáveis fizeram no processo de recuperação da área. “O plano de contingencia deles funcionou a contento. Eles notificaram imediatamente o IPAAM, a Capitania dos Portos e outros órgãos ambientais da necessidade de uma fiscalização imediata. Foram feitos os procedimentos com barreiras de contenção, a contratação de uma empresa especializada para tirar os resíduos da água. Também por não se ter verificado poluição nas matas ciliares, tão pouco mortandade de peixes e aves. Tudo isso foi levado em consideração na hora de lavrar a multa”, afirmou Chuvas.

    Após eliminada toda a mancha de óleo, a empresa planejou o processo de retirada dos tanques para evitar nova contaminação das águas. Nesta quarta-feira, portanto, espera-se que ocorra a retirada dos tanques sob a supervisão do IPAAM, dando por finalizado o saneamento da área impactada pelo acidente ambiental.

    Licenciamento - . A Chehuan possui licença de operação emitida pelo IPAAM no dia 11 de março último para transporte fluvial de cargas perigosas, mas não para as operações de transbordo no local em que estava sendo realizado e que culminou com o acidente ambiental.

    A primeira licença ambiental da empresa Chehuan para transporte de materiais perigosos no IPAAM data de 2000 e não há antecedentes de sinistros ambientais cometidos por ela.

    Leidimar Fátima Brigatto
    Assessoria de Comunicação do IPAAM
    fone: 2123-6755
    imprensaipaam@gmail.com
    twitter.com/ipaamam
    facebook/ipaam


     Sala de Imprensa
     
     Newsletter
    Cadastre-se e receba notícias do IPAAM.
    Nome:
    Email:

     Enquete